O que é Produção Editorial?

Confira nossa entrevista com Bárbara Prince e Cristina Yamazaki, docentes da Universidade do Livro, em SP

Você que é apaixonado pelo universo dos livros certamente vai curtir o conteúdo da seção bastidores deste mês: um bate-papo repleto de informações sobre o processo de produção editorial. Para isso, conversamos com Bárbara Prince e Cristina Yamazaki, docentes da Universidade do livro, em São Paulo.

Na conversa, Bárbara e Cristina compartilham curiosidades acerca do dia a dia profissional, falam sobre as inovações do âmbito editorial, comentam a respeito do atual cenário do mercado livreiro no Brasil e dão insights importantes para quem deseja trabalhar na área. Um conteúdo imperdível. Confira!  

Mundo Cristão: O que é produção editorial?

Bárbara e Cristina: A produção editorial é o trabalho que envolve todo o processo de fazer um livro, desde o original (texto entregue pelo autor) até o exemplar que fica pronto na gráfica. A produção não faz tudo, não põe a mão na massa em todas as etapas, mas coordena esse processo e acompanha cada parte dele.

Como acontece a formação do profissional que atua na área? Quais cursos e/ou vivências são necessários?

Existem cursos específicos, desde graduações até programas mais curtos ou especializações (lato sensu). Para quem deseja conhecer a área, especializar-se ou ficar atualizado em alguma atividade específica, a Fundação Editora da Unesp oferece muitas opções na Universidade do Livro (Unil). Lá, oferecemos o curso Passo a Passo da Produção Editorial, que dura 4 noites. Esse curso oferece uma visão geral do processo. Além dos cursos, é fundamental conhecer o mercado de livros e acompanhar as notícias do setor. O PublishNews é uma fonte valiosa para isso.

Também é importante ser leitor — de qualquer tipo de livro. Isso já é em si um envolvimento essencial com o livro. Muitos profissionais que atuam nas editoras, inclusive prestando serviços como freelancers, não são graduados em Editoração ou Produção Editorial. Há editores formados em diversas áreas, especialmente em ciências humanas, como Letras, História ou Sociologia, mas é essencial obter conhecimentos específicos sobre como funciona o processo de edição e o trabalho dentro de uma editora, além de entender a visão editorial sobre o conteúdo que será editado.

Quais disciplinas e técnicas formam base de um bom curso de produção editorial?

Um bom curso de produção editorial precisa dar uma noção de todo o processo, desde o original até o livro pronto, além de oferecer uma compreensão sobre os diferentes tipos de livro e as formas de trabalhar com cada um deles. É essencial que proporcione uma visão panorâmica, permitindo que o aluno compreenda todo o fluxo para conseguir atuar de forma planejada na produção de uma obra.

Por isso, em um curso nessa área há disciplinas sobre as etapas editoriais do texto, a produção do livro, os aspectos comerciais, marketingdesign, entre outros tópicos. Como não existe vasta bibliografia sobre produção editorial, o que acaba complementando a formação são as trocas de experiências, os relatos de profissionais e as atividades práticas.

Qual é o perfil do profissional que exerce essa atividade? Quais comportamentos e habilidades são valorizados pelo mercado?

O produtor editorial precisa conhecer o processo inteiro e estar sempre muito atento a todas as etapas da produção do livro, pois assim pode prever eventuais dificuldades e planejar soluções. É importante ter um bom diálogo com outros departamentos da editora e compreender que cada título tem um processo editorial e exige serviços e profissionais diferentes. Além disso, é fundamental cuidar de cada livro, pensar em cada obra individualmente, sem cair num processo padrão de maneira automática. Além disso, é preciso cuidar também dos profissionais envolvidos no trabalho, ter em mente que esse não é um processo industrial, mas sim humano, que envolve muitas pessoas em fases diversas.

O dia a dia em editoras muitas vezes é corrido, com prazos apertados e múltiplas publicações sendo preparadas ao mesmo tempo. O profissional de produção editorial precisa atender a todas essas demandas sem sacrificar a qualidade do produto final, sem perder de vista que está trabalhando com um material muito importante culturalmente. É imprescindível saber pesquisar e conferir todo tipo de informação.

Quais são os principais desafios do dia a dia de trabalho?

Lidar com o imprevisto, o eventual, o que não foi possível prever desde o início da produção do livro; ser responsável por várias etapas e nem sempre ser a pessoa que põe a mão na massa, o que exige competência para trabalhar em equipe de forma saudável.

E as principais alegrias?

Trabalhar em equipe, trocar experiências, conhecer cada detalhe do livro, ver o exemplar pronto, acompanhar o nascimento desse fruto que é resultado de um enorme trabalho em parceria com outras pessoas. É extremamente gratificante ter em mãos uma obra que contou com sua participação no processo de edição. Além disso, é muito bom criar uma ponte entre o autor e seus leitores e fazer sua parte para que o conteúdo seja entregue da melhor forma possível.

Atualmente, como está o mercado de trabalho na área de produção editorial no cenário brasileiro?

Estamos em um momento desafiador. Há muitas transformações nas experiências de leitura, nas formas de consumo, nas novas formas de vender o livro, no relacionamento com o público leitor, além da crise em importantes redes de livrarias brasileiras. Então não há como negar que é um período difícil para o mercado do livro.

Mas, ao mesmo tempo, há um cenário aberto a inovações, experimentos, diálogos e parcerias. O modelo tradicional ruiu e quem atua na área está em busca de outros modos de editar, publicar e vender. E foi assim que nos últimos anos surgiram pequenas editoras com propostas ousadas, enfrentando esse cenário pessimista.

E o que dizer das novas tecnologias, de que forma elas têm afetado a área? Há indícios do que vem por aí e do que é necessário ter em perspectiva, considerando a constante inovação dos meios de comunicação?

O mercado está o tempo todo se adequando às novas tecnologias. Nos últimos dez anos, as editoras passaram a produzir não apenas os tradicionais livros impressos, mas também os e-books; nichos específicos começaram a trabalhar com produtos digitais interativos. Atualmente, o mercado está se adaptando às novas formas de divulgação e venda de livros, com as redes sociais e pontos de venda on-line; fala-se muito sobre o iminente crescimento dos audiobooks. Os novos formatos de livros convivem com os tradicionais, e há cada vez mais formas de produzir e veicular ideias e histórias. O sucesso de cada tecnologia nesse mercado depende de muitos fatores, e os editores, embora sejam um nicho formador de tendências, também precisam estar sempre atentos e atualizados.

Quais dicas daria para quem pretende saber mais e ingressar na carreira?

Busque aprender e se informar. Todo conhecimento adquirido é válido e pode ser útil, então abra mão de preconceitos com relação a linguagens, conteúdos e formas, para poder aprender mais e ser o profissional de que cada livro precisa.

Se você deseja conhecer mais sobre essa área, busque cursos (presenciais ou on-line) e consuma conteúdos a respeito. Especialmente nas grandes cidades, é possível encontrar bons eventos sobre o mundo editorial (como feiras, bate-papos e debates) e conversar com quem está cursando a graduação nas universidades.

Leia outros conteúdos dos bastidores MC!

Profissão ghostwriter

O trabalho do editor

A arte de criar um título vendedor

Podcast:

Quarta Capa 6 – Profissão: Editor de livros

Uma visão do céu

16 de agosto de 2019

A missão da Igreja é amar

16 de agosto de 2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *